O salário-maternidade é um benefício previdenciário que mães (ou pais segurados do INSS) que precisam se ausentar do trabalho por motivo de nascimento de filho, guarda judicial para fins de adoção ou aborto não criminoso, têm direito. No caso de trabalhadores de carteira assinada, quem paga esse salário é o empregador. Para quem contribui individualmente, a responsabilidade é do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Mas, quando a mãe está desempregada, como é possível solicitar este benefício?

Mulher grávida, segurando a barriga. Imagem para ilustrar a matéria sobre salário-maternidade

Crédito: Feelkoy/shutterstock

Como receber o benefício estando desempregada?

O salário-maternidade é garantido para as mulheres desempregadas, mas é preciso ficar atento às condições. Uma delas é estar no período de graça e ter cumprido e o tempo mínimo de contribuição.

O período de graça se refere ao tempo em que o segurado permanece filiado ao INSS mesmo após a cessação das contribuições. Para o segurado empregado, o período de graça é de 13 meses e 15 dias (§4º, do artigo 15, da Lei 8.213/91; artigo 14, do decreto 3.048/99 e inciso II, artigo 30, da Lei 8.212/91).

É possível prolongar esse período em duas hipóteses:

  • Segurados obrigatórios com mais de 120 contribuições

A segurada terá direito à prorrogação do período de graça por mais 12 meses, além do previsto, se tiver mais de 120 recolhimentos ao INSS.

  • Desemprego

Caso tenha a comprovação de desemprego também tem direito à extensão por mais 12 meses.

Com a prorrogação, aumenta também o tempo que a requerente terá para solicitar o salário-maternidade.

Quem possui direito ao salário-maternidade?

Toda segurada do Regime Geral da Previdência Social que se enquadrar em alguma das seguintes situações, tem direito ao salário-maternidade:

  • Nascimento de filho;
  • Adoção ou guarda judicial para fins de adoção, aborto não criminoso (espontâneo ou em decorrência de estupro);
  • Filho natimorto (bebê nascido morto), quando há risco de vida para a mãe;
  • Companheiro (a) de segurada (o) que venha a falecer no período em que esteja recebendo o benefício, desde que também seja segurado (a) do INSS;
  • Homens que adotem uma criança (considerada até os 12 anos);
  • Desempregada em período de graça (aquele em que ainda se tem qualidade de segurada).

Mesmo desempregada, como solicitar o salário-maternidade?

O pedido pode ser feito gratuitamente e de forma on-line pelo site ou pelo aplicativo Meu INSS, seguindo os passos abaixo:

  1. Acesse o site meu.inss.gov.br ou baixe o aplicativo e faça o login;
  2. Procure, no menu principal, a opção que lista completa dos benefícios ou no site a opção “Novo pedido”;
  3. Selecione “Salário maternidade” e clique na opção “solicitar”;
  4. Informe os dados necessários e anexe a versão em PDF dos documentos solicitados.

Os documentos necessários para a solicitação são:

  • Número do CPF;
  • Atestado médico específico para gestante;
  • Termo de Guarda, para casos de adoção;
  • Para casos de adoção definitiva: Apresentar a nova certidão de nascimento expedida após a decisão judicial;
  • Para desempregados: Documentos para comprovar o tempo de contribuição.

Preocupada com o futuro? Faça uma simulação aqui e descubra quando você poderá se aposentar.


Leia também:

Descontos em Medicamentos: conheça o novo benefício do Instituto de Longevidade MAG

Faz contribuição ao INSS por conta própria? Fique atento ao reajuste

Enquadramento no MEI garante aposentadoria

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: