Alguns chamam de reserva de emergência, outros de reserva de segurança e outros, ainda, de reserva contra imprevistos. Não importa a maneira como você se refira àquela quantia guardada para situações inesperadas, nem onde você ela esteja: em investimentos, na poupança ou no colchão. O importante mesmo é poder contar com essa segurança.

“Gosto dessa última denominação [reserva contra imprevistos], apesar de achar as anteriores igualmente corretas”, explica o especialista em finanças pessoais da MAG Investimentos e colunista do portal do Instituto de Longevidade, Hirbis Girolli. “Mas é que essa reserva serve justamente para bancar aqueles imprevistos que não podemos cobrir através de um seguro, que seria a opção mais barata e racional”.

Vamos imaginar algumas situações hipotéticas. Inesperadamente, você perde a sua única fonte de renda e o seu seguro-desemprego, caso você o tenha, não é suficiente para arcar com todas as suas despesas. Ou ainda, surge um problema de saúde e você precisa realizar um exame ou um procedimento que não é coberto pelo seu plano. A situação também pode ser menos grave, como um reparo emergencial que precise ser feito na sua casa. Ou até mesmo o pagamento da franquia do seguro do seu carro.

É aí que entra a reserva de emergência, para arcar com os gastos que surgem de forma inesperada e que podem causar um verdadeiro estrago no seu orçamento.

Mas como fazer uma reserva de emergência?

De acordo com o assessor de investimentos Adriano Milagres, da RD Investimentos, o importante para quem quer começar um reserva de investimentos é, sempre que receber o salário, destinar uma parte para os investimentos.

“Não importa se esse valor é alto ou baixo, o mais importante é criar o hábito”, explica Milagres. “Comece guardando 10% do seu salário sempre que possível e vai ajustando de maneira que o valor a ser investido seja confortável para você”, completa.

Segundo os especialistas, o ideal é que essa reserva de emergência seja equivalente a um valor de 3 a 6 vezes a sua renda mensal líquida.

Reserva de emergência

O ideal é que essa reserva de emergência seja equivalente a um valor de 3 a 6 vezes a sua renda mensal líquida. Foto: fizkes / Shutterstock.

“Se você não precisar dessa reserva de imprevistos, tudo bem. Ela estará lá e irá se somar às suas demais economias para garantir a sua independência financeira definitiva lá no futuro”, avalia Girolli.

Seguindo esse raciocínio, pode-se concluir que aqueles que conseguem formar uma reserva para imprevistos e estão devidamente cobertos pelos seguros adequados atingiram a independência financeira em relação aos imprevistos não-seguráveis.

Mas o trabalho não para por aí. Tão importante quanto ganhar mais, gastar bem, poupar certo e investir melhor é proteger o seu patrimônio. Veja abaixo algumas dicas dos nossos especialistas que vão ajudar você a manter a sua reserva de emergência.

3 dicas para você proteger a sua reserva de emergência

1) Fazer os devidos seguros, pois um imprevisto segurável pode levar embora toda ela de uma vez. Uma internação em uma UTI, algo 100% segurável, pode ser um evento assim. Seu encanamento inundar o vizinho e você não ter um seguro residencial, idem.

2) Não confundir imprevisto indesejado com imprevisto desejado. Surgiu uma oportunidade de viajar, por exemplo, ficando na casa de alguém, economizando o hotel. Imprevisto mais do que desejado. Mas e as outras despesas da viagem? Não podem sair da reserva de emergência, certo?

3) Deixar essa reserva de emergência aplicada em algo que pelo menos reponha a perda da inflação. Caderneta de poupança e alguns fundos de investimento caros estão entregando uma rentabilidade que não repõe a inflação.

“A inflação em 2020 foi bem mais de 4% e a poupança rendeu bem menos do que 2%. O que acha que acontecerá com sua reserva para imprevistos, ao longo do tempo, em uma aplicação assim?”, questiona Girolli.

Melhores investimentos

Na opinião de Milagres, o produto mais adequado para o investidor deixar o dinheiro aplicado como reserva de emergência seria um fundo DI, um CDB ou o Tesouro Selic.

“Esses produtos têm como principais características o baixo risco e o acesso imediato ao recurso, caso tenha necessidade. Muitos clientes ainda deixam dinheiro aplicado na poupança simplesmente pela falta de conhecimento desses outros produtos”, alerta o assessor de investimentos.

Para os clientes que já possuam uma reserva de emergência e aceitem um pouco mais de risco nos investimentos, Milagres acredita que a classe de Fundos Multimercados possa ser uma boa opção.

“No meu ponto de vista, o mais importante no momento da tomada de decisão sobre quais investimentos colocar na carteira é o investidor sempre respeitar seu perfil de risco”, adverte.


Precisando de uma ajuda para organizar suas finanças pessoais? Preencha o formulário a seguir e baixe gratuitamente o nosso e-book sobre Longevidade Financeira, com ótimas dicas para você aproveitar!

Guia sobre Longevidade Financeira

Pare de se preocupar com dinheiro! Baixe gratuitamente nosso guia e saiba como se planejar financeiramente de forma prática e fácil.

Livro

Leia também:

Consumo consciente: como aproveitar a Semana do Consumidor sem prejudicar suas finanças

Guardar dinheiro é diferente de poupar certo: veja dicas para administrar suas finanças

Conheça os melhores investimentos para quem passou dos 60 anos

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: