Na última quarta-feira, 16, a Câmara dos deputados votou um projeto de lei (PL) que estabelece regras para o retorno de gestantes ao trabalho presencial. De acordo com sua relatora, a deputada Paula Belmonte, o objetivo é fazer com que as mulheres não sejam prejudicadas, deixando de conseguir vagas neste momento.

 Segundo o PL, a trabalhadora grávida pode voltar a trabalhar presencialmente em algumas situações: 

  • Caso esteja vacinada completamente contra a covid-19.
  • Havendo o fim do estado de emergência de saúde pública relacionada ao coronavírus.
  • Havendo interrupção da gestação.
  • Assinando um termo de responsabilidade caso não tenha se vacinado.

retorno de gestantes ao trabalho

Crédito:metamoreworks/shutterstock

Outros pontos para o retorno de gestantes ao trabalho presencial 

De acordo com o PL, a gestante não vacinada que optar voltar ao trabalho presencial, terá que, além de assinar o termo de responsabilidade, se comprometer a cumprir as medidas preventivas adotadas pelo empregador. 

Já as gestantes que não concluíram o processo vacinal e trabalham em funções consideradas "incompatíveis” com o trabalho remoto serão consideradas portadoras de gravidez de risco, recebendo salário-maternidade até tomarem duas doses da vacina. 

A votação do PL sobre o retorno de gestantes ao trabalho presencial demorou mais de duas horas e contou com forte oposição. Agora o texto segue para sanção do presidente Jair Bolsonaro. 

Guia sobre Longevidade Financeira

Baixe gratuitamente nosso guia e saiba como se planejar financeiramente de forma prática e fácil.

Livro


Leia também

Independência financeira em 5 passos 

Herança: um assunto para tratar agora e garantir paz no futuro 

Poupar para os filhos: quando começar? 

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: