Na correria do dia a dia, com mil coisas acontecendo ao mesmo tempo, altíssimos níveis de violência e uma solidão profunda imposta pela pandemia que já dura mais de um ano, você acaba recorrendo a uma rede social para se relacionar. E após semanas ou meses de papo com alguém que você julga ter sido feito sob medida para você, essa pessoa diz estar numa situação financeira difícil. Imbuído pelo profundo sentimento de amor e confiança despertado em você por aquela outra pessoa, você faz um PIX e transfere uma boa quantia para a pessoa amada. Cuidado, pois você pode ter caído no golpe do namoro virtual.

Foi o que aconteceu com uma norte-americana de 63 anos que preferiu ter sua identidade preservada. Acreditando estar vivendo um romance virtual com o cantor americano Bruno Mars, a idosa, moradora do Texas, nos Estados Unidos, depositou US$ 100 mil, o equivalente a R$ 540 mil, na conta dos falsários. Clique aqui para ler a história na íntegra.

Cuidados necessários para não cair no golpe do namoro virtual.

Cuidados necessários para não cair no golpe do namoro virtual. Crédito: Ksenia Zvezdina / Shutterstock. 

O mesmo golpe do namoro virtual tem se repetido todos os dias em diversas partes do mundo. Especialistas em segurança alertam se tratar de uma máfia instalada em países que se encontram em situação de grave miséria e guerra, em terras orientais. Sabendo da solidão e da fragilidade em que pessoas em todo o mundo se encontram e dos velhos valores que ainda permanecem em muitos de nós, como a busca pelo amor verdadeiro, gangues se aproveitam para iludir qualquer um que dê sopa. Depois de conquistar o coração da vítima, eles aproveitam para saquear todo o valor possível. E, em casos mais raros, aliciar suas vítimas para o tráfico humano.

Quem são as pessoas mais vulneráveis ao golpe do namoro virtual?

Aparentemente, não há uma preferência por idade ou classe social por parte dos criminosos. O golpe vem sendo aplicado em qualquer pessoa que se mostre emocionalmente solitária e vulnerável. Contudo, as mulheres continuam sendo as mais afetadas pelo golpe do namoro virtual.

Especialista em terapia de casal, a psicóloga Mônica Gonçalves explica que, ainda hoje, as mulheres vivem uma forte pressão social para que consigam um feliz casamento com um marido provedor que lhes dê, além de segurança financeira, filhos.

“Para os homens, cabe a cobrança para que seja bem-sucedido no trabalho. O que sobra para as mulheres ainda é o papel da mãe, que cuida da casa, do marido e que tem um subemprego de meio expediente que não atrapalhe a realização de suas tarefas domésticas”, lamenta a psicóloga.

E quando essas mulheres não conseguem atingir esses objetivos, tornam-se alvo de uma sociedade dura e machista. Vulneráveis, elas encontram um homem romântico, carinhoso, inteligente que afirma gostar de tudo o que ela gosta. Cada vez mais especializados nesse tipo de golpe, eles conseguem facilmente conquistar a vítima e preparar o terreno para o golpe.

No Brasil ou no outro lado do mundo

Estatísticas mostram que há uma maior concentração de pessoas que praticam esse tipo de golpe em países como Turquia, Iraque, Paquistão, Arábia Saudita e outros do Oriente Médio. Nesses casos, o problema pode ser ainda maior, porque além do golpe financeiro, ainda pode acontecer o tráfico de pessoas.

Esses criminosos prometem uma vida de rainha às suas amadas, que acabam por pegar empréstimo e se desfazer de alguns bens, abandonando emprego e família para atravessar o Atlântico em busca do novo amor. Só que em vez disso, encontram relacionamentos abusivos, crimes de honra, prostituição, entre outras atrocidades. Muitas delas nunca mais retornam.

Mônica explica que, mesmo com tanta violência, a dependência emocional pode mantê-las ligadas aos criminosos. “Elas são vítimas delas mesmas”, explica a especialista. “Vítimas de suas ingenuidades, da baixa autoestima, da falta de confiança e da necessidade de se manter em um relacionamento”. Mônica ainda complementa que não precisa ir para o outro lado do mundo para que isso aconteça. “Muitas mulheres são vítimas desse tipo de relacionamento a poucos metros da casa de seus familiares, e nem assim conseguem pedir ajuda, imagina quando isso acontece do outro lado do mundo, sem nenhum conhecido por perto?”

Como se defender de um golpe virtual?

  • Evite aceitar solicitações de amizade em suas redes sociais de pessoas que você não conheça ou com as quais não tenha amigos em comum. E mesmo tendo amigos em comum, vale a pena checar se seus amigos realmente conhecem aquela pessoa;
  • Se ainda assim aceitar uma solicitação de amizade de algum desconhecido e começar a manter um diálogo, deixe algumas pessoas próximas cientes do fato, para que ajam frente a algum problema;
  • Não aceite convites de pessoas estranhas, mesmo se estiver mantendo um diálogo já há algum tempo. Se ainda assim resolver aceitar, marque o encontro em um local público e movimentado. Lembre-se de deixar alguns amigos cientes de onde você estará, por qual período e com quem. Também é aconselhável que você transmita pelo WhatsApp a sua localização em tempo real para algum amigo;
  • Não convide estranhos para irem à sua casa. Prefira sempre locais públicos para o primeiro encontro;
  • Nunca compartilhe fotos e vídeos íntimos, nem informações confidenciais a seu respeito, como dados bancários, endereço ou nome de parentes;
  • Nunca envie dinheiro, compre coisas, nem muito menos solicite serviço de transporte, como Uber ou 99 Táxi, para um desconhecido utilizando sua conta;
  • Muitas vezes, o golpe pode ser dado em alguém mais vulnerável, como uma criança ou uma pessoa idosa. Por isso, preste atenção às redes sociais de seus filhos e dos seus pais. Verifique se estão se comunicando com pessoas desconhecidas ou estrangeiras. Frente a qualquer situação que parecer estranha, não hesite em conversar com seu parente e expor sua preocupação.

O que fazer se você for vítima do golpe do namoro virtual?

Especialistas indicam uma série de medidas a serem tomadas no caso de você identificar uma tentativa de golpe ou de chegar a se tornar uma vítima. São elas:

  • Bloqueie o(a) criminoso(a) em todas as suas redes sociais e não desbloqueie em hipótese alguma;
  • Caso tenha passado algum dado bancário ou de cartão de crédito, faça contato com as instituições responsáveis e solicite o bloqueio imediato;
  • Dirija-se a uma delegacia para registrar um Boletim de Ocorrência;
  • Em caso de chantagem, procure as autoridades imediatamente;
  • Você também pode contar com o auxílio de um advogado.
  • Se a tentativa de golpe foi com algum conhecido e você conseguir identificá-la a tempo, alerte essa pessoa, mostrando reportagens sobre esse tipo de crime. “É importante mostrar a essa vítima que ela não está sozinha e desamparada”, frisa a psicóloga.
  •  Após o trauma de passar por um problema como esse, o indicado é que a vítima busque ajuda psicológica para se fortalecer e conseguir voltar a ter uma vida normal.

Saúde, trabalho, finanças e muito mais! Faça parte do nosso grupo de WhatsApp e receba conteúdos na palma da sua mão.


Leia também:

Golpes na internet: idosa vítima de falso perfil leva golpe e perde R$ 450 mil

Golpes virtuais na mira do Ministério da Justiça; campanha quer conscientizar consumidores

Apps para ganhar dinheiro: realidade ou golpe?

Vírus de computador: saiba como evitar links maliciosos e se proteger dos ataques

Transferências bancárias pelo WhatsApp: aplicativo se prepara para disponibilizar mais essa funcionalidade

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: