Aqui no Instituto de Longevidade MAG, nós tratamos de Longevidade Financeira. Isso é, de por que você deve se preocupar em fazer seu dinheiro “viver mais tempo”, da mesma forma como vem ocorrendo com as nossas vidas. Além disso, gostamos muito também de trazer dicas sobre como fazer seu dinheiro durar mais. Assim, não temos nada a tratar aqui sobre mudanças climáticas. Afinal, isso não tem nada a ver com seu bolso. Certo?

Vamos analisar por etapas. Primeiro: você sabe o que são as mudanças climáticas? É um fenômeno muito referido também como aquecimento global, mas não, infelizmente não se trata do Cauã Reymond e do Mateus Solano dando uma corridinha na praia para esquentar a musculatura.

As mudanças climáticas são alterações de larga escala nos padrões climáticos em nível global e/ou regional. Já o aquecimento global é o aumento médio das temperaturas da atmosfera da Terra. De fato, os dois estão associados, e ocorrem em razão da queima de combustíveis fósseis (por exemplo carvão e petróleo) e da emissão de poluentes geradores do efeito estufa.

mudanças climáticas

Crédito: PHOTOCREO Michal Bednarek/shutterstock

Sim, eu sei que é complicado. Se ainda está difícil de entender, sugiro dar uma busca no Google pelo nome do pesquisador Carlos Nobre, um dos maiores especialistas brasileiros no tema. Sei também que, até agora, ainda não falei do seu bolso.  Mas, por favor, não pare a leitura. Eu vou chegar lá.

Segundo ponto: é possível ainda que você tenha ouvido falar na COP-26, sigla para a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas, que está ocorrendo em Glasgow, Escócia, por esses dias. As COPs são reuniões onde os países se reúnem com o objetivo de chegar a acordos sobre como evitar que o tamanho dos impactos das mudanças climáticas não sejam tão grandes.

De novo: eu sei. Parece distante, não é? Uma discussão promovida por burocratas engravatados em uma fria cidade da Europa.... Mas sim, isso tem tudo a ver com sua vida, e com seu bolso. Porque a COP gira em torno não de impedir as mudanças climáticas, e sim de controlar a dimensão que elas terão em nossas vidas.

Fiel ao nosso compromisso de promover a sua Longevidade Financeira, vou dar aqui exemplos de algumas destas transformações com base nas cinco bases do nosso método. E depois disso, deixo a mensagem final do texto.

Ganhar mais  

Como a queima de combustíveis fósseis é um dos principais causadores das mudanças climáticas, será preciso aumentar a geração de energia limpa. E você já sabe que diversificar suas fontes de renda é uma forma de aumentá-las, certo? Que tal fazer renda extra com o teto da sua casa? Isso mesmo. Dependendo de onde more, você pode instalar painéis que captam a energia solar e vender o excedente produzido para a distribuidora de energia local. Há aspectos a observar, como a incidência solar da sua região e o custo de instalação das placas. Mas pode valer a pena. Se informe mais sobre o assunto junto à organização ABSOLAR.

mudanças climáticas

Crédito: AS photostudio/shutterstock

Gastar bem

Você é dos que não dispensam um bom bife em todas as refeições? Se sim, é possível que venha a ter que reconsiderar esse hábito. Primeiro, porque a criação de rebanhos é um importante causador das mudanças climáticas. E, justo por isso, o custo da proteína animal deverá subir. A essência do gastar bem é cortar os gastos que tem baixa relação com uma satisfação mais duradoura. Esse terreno é delicado, pois entra no território subjetivo do que “importa ou não importa para mim”. Mas saiba que fazer uma ou mais refeições sem carne por semana fará bem ao planeta e ao seu bolso.

Investir melhor

Investir é fundamental para você diminuir o esforço de poupança. Uma das formas de investir é comprando ações de empresas. Como as mudanças climáticas entram aí? Se você investe, ou pensa em investir em empresas, provavelmente terá que prestar cada vez mais atenção ao alinhamento da empresa a critérios de sustentabilidade ambiental. Entre as vantagens para empresas que seguem boas práticas de sustentabilidade, está o acesso mais fácil a crédito. Lembre-se: quem tem ações é dono de uma parte do negócio.

Proteger capital de risco

Chuvas torrenciais mais frequentes ou ondas de calor mais intensas são efeitos esperados das mudanças climáticas, e significam danos maiores e mais regulares a bens como casas, automóveis etc. Se você acha que seguro é algo desnecessário, é bom reconsiderar essa visão. E se você já tem o costume de proteger seus bens e sua própria vida dos imprevistos, tenha em mente que as apólices provavelmente vão ficar mais caras. Ainda assim, a proteção dos seguros vai continuar sendo indispensável.

Poupar certo

Assim como o caso da proteção aos imprevistos, descrita acima, a base “poupar certo” ganhará ainda mais importância, principalmente tendo em vista a longevidade. Mesmo imaginando que não tenhamos catástrofes de grandes dimensões, quanto mais o tempo passar, mais delicado será o equilíbrio das condições ambientais. Isso quer dizer que, quanto mais você viver, mais a “conta” da natureza vai se fazer presente em nossos bolsos. É bastante provável, por exemplo, que tenhamos que começar a pagar por itens que hoje não estão na cesta de consumo, como a água. Assim, comece a preparar sua Longevidade Financeira desde já.

Mensagem final: espero ter convencido você que a questão ambiental tem tudo a ver com seu bolso. Construa sua Longevidade Financeira sem perder de vista a sustentabilidade ambiental. O patrimônio que você construir só poderá ser usufruído por seus filhos e netos se houver planeta amanhã.

Guia sobre Longevidade Financeira

Pare de se preocupar com dinheiro! Baixe gratuitamente nosso guia e saiba como se planejar financeiramente de forma prática e fácil.

Livro

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: