O empréstimo consignado do Auxílio Brasil foi regulamentado em uma portaria publicada nesta terça-feira, 27, no Diário Oficial da União. Foi estabelecido que o valor máximo das parcelas a serem contratadas será de 40% do valor mensal do benefício. 

Ou seja, o valor máximo será de R$ 160 por parcela considerando-se o valor de R$ 400 do Auxílio Brasil. A portaria não considera os R$ 600 recebidos atualmente, pois esse valor só deve valer até dezembro.

Outro ponto da regulamentação do empréstimo consignado do Auxílio Brasil é que o número máximo de parcelas será de 24. A  taxa máxima de juros será de 3,5% ao mês. Tanto a taxa de juros quanto o valor total do empréstimo a ser contratado precisarão ser informados no momento da contratação.

Empréstimo consignado do Auxílio Brasil foi regulamentado

Crédito: rafastockbr/shutterstock

Empréstimo consignado do Auxílio Brasil será descontado do pagamento

Como se trata de crédito consignado, o valor do empréstimo consignado do Auxílio Brasil será descontado diretamente pelo governo, por meio da Secretaria Nacional de Renda e Cidadania (Senarc). 

Dessa forma, se alguém tiver R$ 400 para receber, mas pegou um empréstimo que compromete 40% desse valor (R$ 160), só receberá R$ 240. Vale dizer que é proibida a cobrança de taxa de abertura de crédito (TAC) ou outras taxas administrativas, assim como prazo de carência para início dos pagamentos.

Para se ter ideia, enquanto a taxa do empréstimo para beneficiários do Auxílio Brasil pode chegar a 3,5% ao mês, a taxa média do cheque especial é de 7,16% e a do cartão de crédito, 13,77%. Outros empréstimos consignados, porém, contam com taxas médias mais baratas. É o caso do consignado para trabalhadores do setor público (1,70%) e do consignado para aposentados e pensionistas (1,97%).

É preciso cuidado ao tomar o crédito

O empréstimo consignado do Auxílio Brasil vem sendo muito criticado por especialistas em educação financeira. Isso porque os recursos do Auxílio são normalmente utilizados para despesas básicas de sobrevivência. Caso alguém pegue o empréstimo por razões que não sejam emergenciais, provavelmente poderá comprometer o orçamento para gastos essenciais. É preciso ter muito cuidado, portanto, ao optar pelo empréstimo. 

Também é importante saber que é proibida a venda casada do empréstimo pelas instituições bancárias. Ou seja, o banco não pode obrigar ninguém a contratar outro produto ou serviço para ter acesso ao crédito. 


Gostou da matéria? Entre no nosso grupo de WhatsApp e receba outros conteúdos sobre saúde, trabalho, finanças e muito mais!


Leia também:

O que levar em conta ao contratar um empréstimo consignado 

6 dicas para fazer um empréstimo consignado e não ser engolido pelas dívidas 

Como evitar dívidas e lidar melhor com as que já existem? (institutodelongevidademag.org)



Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: