Quem não tem registro em carteira, mas quer contribuir para a aposentadoria pelo INSS, precisa conhecer as opções de contribuição e os códigos do INSS que deve usar. Também vale para quem já contribui, mas quer fazer uma complementação, como é o caso de MEIs ou alguém que presta serviço e já tem o valor recolhido pela empresa, por exemplo. 

As possibilidades de contribuição e os códigos do INSS variam conforme o perfil. Um deles é o de contribuintes facultativos, pessoas com mais de 16 anos que não têm renda, mas querem contribuir para ter direito à aposentadoria e benefícios sociais. Entram nesta categoria as donas de casa, desempregados ou estudantes.

Também há os contribuintes individuais, que trabalham de forma autônoma ou prestam serviços para empresas sem vínculo empregatício. É o caso de síndicos remunerados, vendedores ambulantes ou pintores. O pagamento dos contribuintes que prestam serviço a empresas já é descontado e recolhido por elas, mas quem presta serviço para pessoa física ou é facultativo deve  preencher uma guia específica e pagá-la. Ela pode ser gerada pelo aplicativo Meu INSS (pela opção “Emitir Guia de Pagamento”) ou por meio de carnê em papel (vendido em papelarias). 

É importante saber que quem nunca trabalhou registrado deve se cadastrar no INSS para começar a contribuir. É só ligar no telefone 135 ou fazer a inscrição pelo Site do INSS ou aplicativo.

Mulher veriicando os códigos do INSS no smartphone

Crédito: Krakenimages.com/Shutterstock

Confira os códigos do INSS para pagamento

Os códigos do INSS para pagamento se alteram de acordo com a situação, por isso avalie em qual dessas alternativas você se encontra antes de preencher a guia e começar a contribuir. O ideal, em caso de dúvidas, é consultar um profissional da área contábil para buscar orientação.

Contribuinte individual: Alíquota de 5% sobre salário mínimo

Contribuir com 5% sobre o valor do salário mínimo é a opção para quem integra famílias de baixa renda inscritas no Cadastro Único do Governo Federal. Não é possível ter atividade remunerada neste caso; e a renda familiar deve ser de até dois salários mínimos. A aposentadoria é por idade e o valor é de um salário mínimo.

1929 - Facultativo Baixa Renda - Mensal

1937 - Facultativo Baixa Renda - Trimestral

1830 - Facultativo Baixa Renda - Mensal - complementação de 6% para plano simplificado 11%

1848 - Facultativo Baixa Renda - Trimestral - complementação de 6% para plano simplificado 11%

1945 - Facultativo Baixa Renda - Mensal - complementação de 15% para plano normal

1953 - Facultativo Baixa Renda - Trimestral - complementação de 15% para plano normal

Contribuinte Facultativo: Alíquota de 11% sobre salário mínimo

É o caso de donas de casa, estudantes ou desempregados que não têm remuneração, mas não se enquadram na categoria de baixa renda. Neste caso é possível contribuir com 11% do valor do salário mínimo. A aposentadoria é por idade e o valor da aposentadoria será de um salário mínimo.

1473 - Facultativo - Mensal

1490 - Facultativo - Trimestral

1686 - Facultativo - Mensal - complementação de 9% para plano normal

1694 - Facultativo - Trimestral - complementação de 9% para plano normal

Contribuinte individual: Alíquota de 11% sobre salário mínimo

Neste caso se enquadra o contribuinte individual que presta serviço e quer contribuir com 11% do valor do salário mínimo. A aposentadoria é por idade e o valor da aposentadoria será de um salário mínimo.

1163 - Contribuinte Individual - Mensal

1180 - Contribuinte Individual - Trimestral

1295 - Contribuinte Individual - Mensal - complementação de 9% para plano normal

1198 - Contribuinte Individual - Trimestral - complementação de 9% para plano normal

1910 - Microempreendedor Individual - MEI - Mensal  - complementação de 15% para plano normal (a partir de maio/2011)

1236 - Contribuinte Individual - Rural Mensal

1252 - Contribuinte Individual - Rural Trimestral

1244 - Contribuinte Individual - Rural Mensal - complementação de 9% para plano normal

1260 - Contribuinte Individual - Rural Trimestral - complementação de 9% para plano normal

Contribuinte individual: Alíquota de 20% sobre salário de contribuição

Neste caso, para se aposentar com um valor maior que um salário mínimo, é possível que autônomos que prestam serviço contribuam com 20% do salário mensal, limitado ao teto do INSS. No caso da prestação de serviço a empresas, é a própria fonte pagadora que paga o INSS, portanto, se o contribuinte prestar serviço para mais de uma empresa, poderá descontar da contribuição 45% do valor da contribuição patronal de quem contrata, limitada a 9% do salário de contribuição. Neste caso, os trabalhadores podem se aposentar por idade ou tempo de serviço.

1007 - Contribuinte Individual – Mensal

1104 - Contribuinte Individual - Trimestral

1120 - Contribuinte Individual (prestando serviço a uma ou mais empresas)- Mensal - com  dedução de 45% da contribuição patronal limitada a 9% do salário de contribuição (Lei 9.876/1999)

1147 - Contribuinte Individual (prestando serviço a uma ou mais empresas) -Trimestral - com  dedução de 45% da contribuição patronal limitada a 9% do salário de contribuição (Lei 9.876/1999)

1287 - Contribuinte Individual - Rural Mensal

1228 - Contribuinte Individual - Rural Trimestral

1805 - Contribuinte Individual - Rural Mensal - Com dedução de 45% (Lei 9.876/1999)

1813 -Contribuinte Individual - Rural Trimestral - Com dedução de 45% (Lei 9.876/1999)

Contribuinte Facultativo: Alíquota de 20% sobre salário de contribuição

É o caso de donas de casa, estudantes ou desempregados que não têm remuneração e querem contribuir com um valor maior para receber mais adiante. O valor mínimo de contribuição é 20% do salário mínimo e o máximo é 20% do teto.

1406 - Facultativo - Mensal

1457 - Facultativo - Trimestral

1821 - Facultativo - Exercente de Mandato Eletivo/ Recolhimento Complementar


Agora que você já aprendeu sobre os códigos do INSS, aproveite e faça a simulação da sua aposentadoria. Confira a calculadora abaixo e veja o melhor caminho para se aposentar.


Leia também:

MEI: contornando a informalidade e apoiando a Previdência Social 

Afastamento pelo INSS conta para aposentadoria? 

Aposentadoria por tempo de cuidado 

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: